sábado, 13 de dezembro de 2014

TÚNEL DO TEMPO - O ACIDENTE DO GT MALZONI DE DEZINHO MOTA

Mês passado tive o prazer de conhecer um dos pilotos que, na minha adolescência, fez parte do meu imaginário e de muitos fãs do automobilismo brasiliense e que iam às ruas da capital federal assistir as corridas como Mil Km de Brasília, 500 Km ,100 e 200 milhas, nos diversos circuitos improvisados nas largas avenidas de Brasília.Trata-se de Neuder Mota, o Dezinho mota, piloto goiano que correu de motos nos anos 60 em Goiânia, de DKWs, Simca Tufão, Malzoni e Dodge. Nesta semana fui a sua residência em Goiânia e ouvi as suas histórias da época de ouro do automobilismo brasileiro e ele falou do terrível acidente que ele sofreu em Salvador/BA, com o Malzoni 22, quando Ubaldo Lolli tentou o ultrapassar e a sua Alfa GTA escorregou batendo no seu Malzoni, jogando-o contra um post e partindo o seu Malzoni em duas partes. A primeira parte ficou o motor, câmbio e a carenagem da parte dianteira da carroceria e a segunda sobrou os pedais de freios, acelerador e embreagem, bancos e a parte traseira do carro, quase arrancando as suas pernas. Nos retratos abaixo, as fotos mostram como ficou o Malzoni que pertenceu a Norman Casari. Tiveram que juntar as duas partes para eles tirarem as fotos. Imagina como não deve ter ficado o carro!!!

Segundo ainda Dezinho Mota, Ubaldo Lolli não teve a intenção em provocar o acidente e o isentou de má fé e que o acidente foi numa disputa normal de prova. Na mesma noite Ubaldo Lolli o visitou no hospital e pediu desculpas pelo acidente.

Tudo isto aconteceu no longínquo 1969, época de ouro e de fascínio do automobilismo brasileiro.

Veja como ficou o Malzoni de Dezinho Mota após o acidente.


Mas antes, vamos conhecer um pouco deste carro no relato feito por Joaquim Lopes, o Mestre Joca, no seu blog:

"Já abordei este assunto aqui no blog e em outros lugares, mas ainda merece um retorno ao tema. Repetindo o que escrevi antes: "Em 1967 Norman Casari sagrou-se bicampeão carioca pilotando o Malzoni da foto acima. Foi inclusive o primeiro carro nacional a usar os enormes pneus Firestone Blue Streak, que seria o pneu de eleição de algumas equipes de ponta no ano seguinte. Já em 1968 o Malzoni campeão foi vendido ao piloto goiano Neuder "Dézinho" Motta que o pilotou na temporada de 1968 e 160, DKW, Simca 69 do Planalto Central e em algumas provas interestaduais.

Nas mãos de Dezinho Mota, o Malzoni deu continuidade ao cartel de vitórias, ganhando os 500 Km de Brasilia de 1968 e as 100 Milhas do Distrito Federal de 1969, e isso já contando com a ferrenha concorrência dos mais bem preparados fuscas de 1600/1800 cc e protótipos nacionais das mais diversas mecânicas.

Local do acidente (cortesia Old Races Blog)


Mas a auspiciosa sobrevida do Malzoni  foi bruscamente interrompida por um seríssimo acidente nos treinos para os 500 Km de Salvador de 1969 quando sofreu uma criminosa fechada da Alfa Romeo GTA de Ubaldo Lolli na reta após a Curva do Calabar, jogando-o contra um poste e partindo o Malzoni em dois. Felizmente o piloto goiano escapou apenas com escoriações nbas pernas.

O Malzoni 22 após o acidente nos treinos... Por muito tempo procurei por um registro do Malzoni 22 acidentado em Salvador, até cheguei a postar aqui uma foto equivocada do acidente. Mas por obra e graça do amigo Jovino Benevenuto Coelho, titular do Mocambo Blog que conseguiu a foto acima junto ao piloto Neuder Motta podemos ver finalmente o estado e o fim do famoso Malzoni.

Consta ainda que pode ser aproveitado do Malzoni foi utilizado na construção de outro protótipo para Dezinho Motta, sendo que este com motor VW e tração na dianteira.

Tive a felicidade de ver este Malzoni-DKW em ação, tanto nas duas vitórias em Brasília e outras provas, bem como na sua destruição em Salvador, além de ter visto este estranho protótipo híbrido DKW-VW em duas oportunidades,  nos Mil K m de Brasilai de 1970 e nos 500 Km de Goiânia do mesmo ano.. Privilégio é isso."

Segundo Dezinho Mota, o que sobrou do Malzoni acidentado em Salvador/BA ele construiu um protótipo e que participou de provas em Goiânia.

(fotos do acervo de Dezinho Mota/Old Races)

Dezinho Mota em Salvador momentos antes do acidente.
O acidente foi terrível partindo o Malzoni de Dezinho e dividindo-o em duas partes e que foram juntadas para se fazer estas fotos.

A frente que foi separada ficou com o motor e o câmbio e quase corta as suas pernas na disputa de curva  quando, Ubaldo Lolli, na tentativa de ultrapassar o Malzoni, escorregou e tocou o Malzoni jogando-o contra um poste.


No detalhe o  interior do carro. A alavanca de marchas e o banco como ficou a divisão do carro na parte traseira do carro.
  No detalhe, para se juntar as duas partes separadas usaram este pedaço de pau.
No detalhe os três carburadores Solex do motor feito pela fabrica com supostos 80cv, segundo Dezinho Mota.

DEZINHO MOTA EM ANÁPOLIS

No cantinho direito, o Lorena de Olavo Pires seguida de perto pelo GT Malzoni do Dezinho em Anápolis em 1968. Ênio Garcia largou lá atras e veio buscando até sofrer um acidente e matar 6 pessoas. 

Nesta prova em Anápolis, segundo Dezinho Mota, a organização da prova terminou a corrida com duas voltas de antecedência tirando a chance dele vencer a prova, pois ele vinha chegando muito rápido e tinha chance de chegar na frente de Olavo Pires e vencer a prova. Coisas do automobilismo brasileiro.

A apresentação do Malzoni à imprensa após a compra de Norman Casari

3 comentários:

  1. Jovino, parabéns pelo post, eu o aguardava com ansiedade., Fui testemunha dos três momentos registrados aqui em fotos. O primeiro foi a soltura da roda dianteira nos 500 Km de Brasilia de 1968 na reta da W3, primeira corrida do Malzoni com o Dezinho. Segundo, a participação do Malzoni nas 200 Milhas de Anápolis em julho de 1969, onde quase ganhou depois da tragédia doa cidente do Elgar do Enio Garcia. Por fim, o terrível acidente nos 500 Km de Salvador, como já contado no corpo do post. Abração...

    ResponderExcluir
  2. Você tem que conhecer o Dezinho Mota, um cara muito simples e com muitas histórias para contar. Em maio, o Dezinho deve estar em Franca/S.Paulo. Eu estarei presente também prestigiando os pilotos aqui da cidade e seria um momento bom para nos encontramos lá. Se quiser usar fotos do Dezinho é só falar. Identifiquei as fotos aqui com o Mocambo porque estou cansado de ver as minhas fotos e outros sites e blogs e ninguém dá o crédito.Abs.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns , ao Neuder Motta , que na década de 60/70 , transformou este Malzoni em um carro de briga . Assisti um pouco dessa história . Ao empenho do piloto e do esforço de muitas horas de trabalho para tornar
    o carro competitivo.

    Gerolino Moura

    ResponderExcluir