sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

A RARÍSSIMA LOLA DO M

Esto Lola é uma raridade. Ela pertencia ao amigo Marcos Sacoman, o "M", como era conhecido pelos blogueiros há muitos anos desde que os blogs sobre automobilismo começaram a fazer sucesso na Internet. O "M" era conhecido como um dos "matusas" e que conhecia muito do automobilismo brasileiro porque ele mesmo foi personagem atuante naquela época.

Foi ele que foi para a Inglaterra juntamente com o seu amigo Antônio Avallone e compraram uma parte da massa falida da Lola e que transformaram nos Avallones que fizeram sucesso no automobilismo brasileiro no início dos anos 70, inclusive, aquele Avallone que participou do filme  "Roberto Carlos a 300 km por hora".

Pois bem, segundo ele me informou antes de falecer, que ele havia adquirido este carro do Antônio Avallone e que estava com uma carenagem feita de alumínio pelo Tony Bianco e ainda guardava a carenagem original com ele.

Nos retratos, a Lola estava guardada em sua garagem em São Paulo e ele me pediu, na época, que não divulgasse estas fotos porque os herdeiros de Antônio Avallone pleiteavam ficar com a Lola e isto estava lhe causando problemas porque eles julgavam serem os donos do carro.

Não sei o destino deste carro porque fiquei sabendo que "M" havia morrido a alguns anos e mais notícias não tive dele.

Mas vale o registro de uma época maravilhosa do nosso automobilismo.

Veja a carenagem em aluminio feita pelo artista Tony Bianco
Ele também me informou que ladrões haviam entrado em sua garagem e roubado o conjunto de Webers.
 Como a Lola ficava guardada.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

BIELA E PISTÃO DO MCLAREM DO PIQUET

Hoje eu e o meu amigo Penta estivemos lá na fazendo Piquet e passamos a tarde com o nosso amigo Pedrão. Ele contou muitas histórias, mostrou os seus carros antigos e as fascinantes motos, desde uma Mondial de 125cc até Norton, Ducati, Kawasaki e tantas outras.

Mas o que me surpreendeu foi uma biela e Pistão guardados num dos armários de sua oficina.

Era a biela e pistão do Mclarem do Piquet quando ele correu aqui em Brasília nas Mil Milhas Brasileiras em 97 e venceu a corrida juntamente com Steve Soper e Jonny Cecoto.

O motor do Mclarem estourou num dos treinos e o Pedrão guardou a biela/pistão que foi trocada como lembrança. Veja que a peça está em perfeita condição guardando uma época fascinante do automobilismo brasileiro quando Piquet trouxe uma das provas das Mil Milhas para Brasília, prova esta, que, infelizmente, não existe mais.

 Ali está identificada a marca da biela
 Visão frontal da biela do Maclarem
E aqui a fera, um Mclarem com motor BMW de 12 cilindros.

sábado, 13 de dezembro de 2014

TÚNEL DO TEMPO - O ACIDENTE DO GT MALZONI DE DEZINHO MOTA

Mês passado tive o prazer de conhecer um dos pilotos que, na minha adolescência, fez parte do meu imaginário e de muitos fãs do automobilismo brasiliense e que iam às ruas da capital federal assistir as corridas como Mil Km de Brasília, 500 Km ,100 e 200 milhas, nos diversos circuitos improvisados nas largas avenidas de Brasília.Trata-se de Neuder Mota, o Dezinho mota, piloto goiano que correu de motos nos anos 60 em Goiânia, de DKWs, Simca Tufão, Malzoni e Dodge. Nesta semana fui a sua residência em Goiânia e ouvi as suas histórias da época de ouro do automobilismo brasileiro e ele falou do terrível acidente que ele sofreu em Salvador/BA, com o Malzoni 22, quando Ubaldo Lolli tentou o ultrapassar e a sua Alfa GTA escorregou batendo no seu Malzoni, jogando-o contra um post e partindo o seu Malzoni em duas partes. A primeira parte ficou o motor, câmbio e a carenagem da parte dianteira da carroceria e a segunda sobrou os pedais de freios, acelerador e embreagem, bancos e a parte traseira do carro, quase arrancando as suas pernas. Nos retratos abaixo, as fotos mostram como ficou o Malzoni que pertenceu a Norman Casari. Tiveram que juntar as duas partes para eles tirarem as fotos. Imagina como não deve ter ficado o carro!!!

Segundo ainda Dezinho Mota, Ubaldo Lolli não teve a intenção em provocar o acidente e o isentou de má fé e que o acidente foi numa disputa normal de prova. Na mesma noite Ubaldo Lolli o visitou no hospital e pediu desculpas pelo acidente.

Tudo isto aconteceu no longínquo 1969, época de ouro e de fascínio do automobilismo brasileiro.

Veja como ficou o Malzoni de Dezinho Mota após o acidente.


Mas antes, vamos conhecer um pouco deste carro no relato feito por Joaquim Lopes, o Mestre Joca, no seu blog:

"Já abordei este assunto aqui no blog e em outros lugares, mas ainda merece um retorno ao tema. Repetindo o que escrevi antes: "Em 1967 Norman Casari sagrou-se bicampeão carioca pilotando o Malzoni da foto acima. Foi inclusive o primeiro carro nacional a usar os enormes pneus Firestone Blue Streak, que seria o pneu de eleição de algumas equipes de ponta no ano seguinte. Já em 1968 o Malzoni campeão foi vendido ao piloto goiano Neuder "Dézinho" Motta que o pilotou na temporada de 1968 e 160, DKW, Simca 69 do Planalto Central e em algumas provas interestaduais.

Nas mãos de Dezinho Mota, o Malzoni deu continuidade ao cartel de vitórias, ganhando os 500 Km de Brasilia de 1968 e as 100 Milhas do Distrito Federal de 1969, e isso já contando com a ferrenha concorrência dos mais bem preparados fuscas de 1600/1800 cc e protótipos nacionais das mais diversas mecânicas.

Local do acidente (cortesia Old Races Blog)


Mas a auspiciosa sobrevida do Malzoni  foi bruscamente interrompida por um seríssimo acidente nos treinos para os 500 Km de Salvador de 1969 quando sofreu uma criminosa fechada da Alfa Romeo GTA de Ubaldo Lolli na reta após a Curva do Calabar, jogando-o contra um poste e partindo o Malzoni em dois. Felizmente o piloto goiano escapou apenas com escoriações nbas pernas.

O Malzoni 22 após o acidente nos treinos... Por muito tempo procurei por um registro do Malzoni 22 acidentado em Salvador, até cheguei a postar aqui uma foto equivocada do acidente. Mas por obra e graça do amigo Jovino Benevenuto Coelho, titular do Mocambo Blog que conseguiu a foto acima junto ao piloto Neuder Motta podemos ver finalmente o estado e o fim do famoso Malzoni.

Consta ainda que pode ser aproveitado do Malzoni foi utilizado na construção de outro protótipo para Dezinho Motta, sendo que este com motor VW e tração na dianteira.

Tive a felicidade de ver este Malzoni-DKW em ação, tanto nas duas vitórias em Brasília e outras provas, bem como na sua destruição em Salvador, além de ter visto este estranho protótipo híbrido DKW-VW em duas oportunidades,  nos Mil K m de Brasilai de 1970 e nos 500 Km de Goiânia do mesmo ano.. Privilégio é isso."

Segundo Dezinho Mota, o que sobrou do Malzoni acidentado em Salvador/BA ele construiu um protótipo e que participou de provas em Goiânia.

(fotos do acervo de Dezinho Mota/Old Races)

Dezinho Mota em Salvador momentos antes do acidente.
O acidente foi terrível partindo o Malzoni de Dezinho e dividindo-o em duas partes e que foram juntadas para se fazer estas fotos.

A frente que foi separada ficou com o motor e o câmbio e quase corta as suas pernas na disputa de curva  quando, Ubaldo Lolli, na tentativa de ultrapassar o Malzoni, escorregou e tocou o Malzoni jogando-o contra um poste.


No detalhe o  interior do carro. A alavanca de marchas e o banco como ficou a divisão do carro na parte traseira do carro.
  No detalhe, para se juntar as duas partes separadas usaram este pedaço de pau.
No detalhe os três carburadores Solex do motor feito pela fabrica com supostos 80cv, segundo Dezinho Mota.

DEZINHO MOTA EM ANÁPOLIS

No cantinho direito, o Lorena de Olavo Pires seguida de perto pelo GT Malzoni do Dezinho em Anápolis em 1968. Ênio Garcia largou lá atras e veio buscando até sofrer um acidente e matar 6 pessoas. 

Nesta prova em Anápolis, segundo Dezinho Mota, a organização da prova terminou a corrida com duas voltas de antecedência tirando a chance dele vencer a prova, pois ele vinha chegando muito rápido e tinha chance de chegar na frente de Olavo Pires e vencer a prova. Coisas do automobilismo brasileiro.

A apresentação do Malzoni à imprensa após a compra de Norman Casari

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

PEDRO PIQUET TESTANDO EM BARCELONA

Pedro Piquet testando hoje em Barcelona. O vídeo e a foto me foram encaminhados pelo próprio Piquet. É o jovem piloto brasiliense já se ambientando no meio das maiores feras da Fórmula 3 Européia.

No retrato, Pedro e o seu engenheiro Felipe Vargas.

Abaixo, pequeno vídeo da saída dele para os testes matineis na pista espanhola.



quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

ITC EM INTERLAGOS EM 1996

Raríssimo e inesquecível, a 2ª prova do ITC (antigo DTM) em Interlagos em 1996. Atuação esplêndida do então jovem e desconhecido Max Wilson, liderando na pista molhada com um carro do ano anterior.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

FELIZ NIVER BARATA

O meu amigo Nelson Ormezzano, o queridíssimo Barata, veio de sampa há uns 7 anos acompanhando sua esposa que assumira uma função de confiança no TST, e, em pouco tempo, fez um grande número de amigos aqui em Brasília e tornando-se uma das pessoas mais carismáticas do nosso círculo de amizades.

Barata reuniu os amigos e amigas numa pizzaria no lago sul para comemorarmos o seu aniversário regado a vinhos, cervejas e um delicioso bolo.

Eu, particularmente, o considero um dos melhores amigos que tenho hoje e lhe desejo longa vida, com muita saúde e  realizações.

Barata apagando a velinha que simboliza os seus sessenta e dois anos bem vividos.
Da esquerda para a direita, Marisa, Luiz, Roberto Costa, Marconi, Von Negri, Euclides, Barata, PA, Letieri, Braca, Nilo Moto, Nelson Piquet  e Pedro Piquet.
Da esquerda para a direita: Paulo Afonso, Letieri, Braca, Piquet, Marisa, Roberto Costa, Marconi, Euglides,Chico, o nosso fiel escudeiro na arte de servir a todos nós, o aniversariante Barata, Von Negri e Penta.
Chico, Von Negri, Penta, Giovani, Magda e Vargas.
Aluizio, Thasso, e Paulo Afonso
Barata,  Aluizio, Thasso, PA e Letieri.

sábado, 22 de novembro de 2014

FORMULA 3 EM GOIANIA - MUITA DIVERSÃO E VITÓRIA DE PEDRO PIQUET DEBAIXO DE MUITA CHUVA

Hoje, pela manhã, o telefone tocou. Era o meu amigo Nilo Moto me convidando para  irmos a Goiânia assistir as duas últimas etapas da Fórmula 3 Brasil.

Pegamos estrada com o seu potente Corvette Pantera Negra de 450 cv e chegamos no autódromo goiano por volta de 10h da manhã e fomos direto para o caminhão trailer do Piquet que nos recebeu com o seu tradicional bom humor. Depois, subimos para a parte de cima do caminhão e ficamos lá vendo o treino da Copa Petrobrás de Marcas e pilotos até chegar, de Brasília, o restante da nossa turma.

O autódromo de Goiânia está muito bonito, todo reformado, e, apesar do tempo chuvoso, nos divertimos muito.

A tomada de tempo da Fórmula 3 Brasil foi rápida porque logo começou a chover e quem entrou antes na pista ainda a pegou seca e se deu bem. Pedro Piquet já pegou a pista molhada e acabou por largar na quarta posição, mas, na corrida, deu mais um show passando todos os seus adversários e já na quarta volta assumiu a ponta e acabou vencendo a prova.

Abaixo, muitas fotos do nosso dia em Goiânia.

Em cima do caminhão do Piqut: Dani, Magda, Giovani e marisa.
Luiz Carlos, Giovani  e Marisa
Dentro do Trailer: amigos do Piquet, Piquet,Chico, Luiz, Dani, Magda e Marisa, toda orgulhosa, levando o famoso chifre do Piquet.
Marisa posando para um suculento gole de uma deliciosa Itaipava.
Edmundo, Dani, Magda, Piquet, Nilo, Marisa e Pedro Piquet
Piquet e Nilo
Nilo, Pedro, um amigo e Marisa
Nilo levando um golpe baixo
Jovino, Edmundo, Piquet, Marisa e Nilo.
Tempo chuvoso

Pedro Piquet saindo para a pista.


Nilo e Ferreirinha, uma das maiores lendas vivas do automobilismo brasileiro com mais de cinquenta anos de automobilismo.


As inocentes levando chifre duplo do tricampeão.


Giovani, Nilo, Jovino, Piquet, Pedro, Magda, Dani, Marisa e amigo.

Hora do rango. Como come esta menina...Coitada da Dani, não sobrou quase nada para ela.




 A vida é bela
Marisa dando o troco

Todos prontos para a largada.

ATUALIZANDO EM 23/11/14.

Na corrida de hoje, Pedro Piquet largou em 6º  e venceu a prova.