terça-feira, 10 de agosto de 2010

CORRIDAS NO MINEIRÃO

O circuito improvisado do Estádio do Mineirão foi palco de grandes disputas automobilísticas desde 1969 onde as principais equipes brasileiras participavam e tinham grande presença das equipes mineiras, a Carbel, revendedora VW, comparecia com seu famoso Puma-VW nº 38 (depois um AC-VW que pertencera a Eugênio Martins) sempre pilotado por Marcelo Campos, até o falecimento deste piloto na véspera dos 500 Km de BH de 1970.


Marcelo Campos e seu Puma Carbel nº 38


Seria o AC VW de Eugênio Martins?

Outra grande força era o Opala da revenda GM Motorauto pilotado por Toninho da Matta que não apresentou-se bem na sua estréia.

A terceira força era a revenda Ford Cisa, que andava de Corcel-Bino com carroceria bastante aliviada e motor 1400 cc e uns 100 hp aproximados. Seu piloto mais fiel era o jornalista Bóris Feldman, além de Emerson Fittipaldi que participou de algumas provas.

Corcel Cisa, o AC VW e o Opala Motorauto do Toninho da Matta


Corcel Cisa e Emerson Fittipaldi


Opala da Motorauto pilotado por Toninho da Mata e o fusca do estreante Paulo Gomes


Wilsinho Fitttipaldi e seu Fitti-Fusca bimotor, com De Lamare e Ricardo Divilla, ao fundo

Simca Rallye do Edu Malavéia...

No video abaixo, vejam a performance do famoso Puma nº 39 de Marcelo Campos, patrocinado pela Carbel, o Corcel Bino #47 de Bóris Feldman, o Simca Rallye branco nº 96 de Edu Malavéia com a porta aberta e as rabeadas do protótipo VW nº 82 de Luis Carlos Pinto da Fonseca, o Kid Cabeleira.

Nesta prova estreou o Opala nº 21 da Motorauto com Toninho da Matta ao volante, ainda na versão carroceria de chapa. Depois desta corrida é que veio a versão com portas, capô e tampa do porta-malas em fibra de vidro.






(Fotos, reprodução, video Youtube, pesquisa Blog do Mestre Joca)

10 comentários:

  1. Jovino:
    Na foto do AC, me parece ser na realidade aquele protótipo OK (que sucedeu o Patinho Feio do Alex dias Ribeiro), apesar da cor. Os Acs tinha umas linhas mais quadradas. Na foto do Fusca Bi-motor, ao lado do Wilson e do De Lamare está o Divilla...

    ResponderExcluir
  2. Cesar, eu mesmo estava com dúvidas em relação a este protótipo, mas acredito que não seja o protótipo OK, pois nunca o vi na cor amarela e sim vermelho.
    Mas vamos esperar para ver se alguém descubra.
    Jovino

    ResponderExcluir
  3. Jovino,

    O protótipo amarelo é o dos irmãos Oswaldo e Manoel Amorim, creio que eram de Juiz de Fora. Tinha o patrocinio da Cervejaria Weiss.

    Abração,

    ResponderExcluir
  4. Continuando e um pequeno reparo.

    O Fitti-Fusca correu esta prova somente com um mtor 1600 c e foi a última grande apresentação de Wilsinho Fittipaldi nas pistas brasileiras antes de ir para a Europa.

    É certo que ele participou também das 12 Horas de Interlagos com o Bino Mark II, mas quebrou logo.

    Nesta prova em Minas, Wilsinho voou baixo, não dando chance ao Opala Motorauto até quebrar as rodas de magnésio nas guias das calçadas em volta do Mineirão.

    Ninguém me contou, eu estava lá e vi...

    ResponderExcluir
  5. Teacher Joca:
    Acredito então que o Bi-Motor só correu com o dois motores aqui no Rio com o Emerson então?

    ResponderExcluir
  6. César Costa,

    Até onde sei o tal Bimotor Fittipaldi só correu no Rio mesmo, nos Mil Km da GB de 1969.

    Essa em BH seria sua segunda corrida, mas com um só motor 1600 cc. Dizem que o carro foi vendido ao Adu Celso que o teria utilizado em provas de turismo em Interlagos, mas jamais vi o menor registro.

    O que vi de mais perto deste carro foi o VW-Spyder do Anésio Hernandes e do Nathaniel Townsend nas Mil Milhas de 1970 (tiraram o sexto lugar., salvo engano...).

    E o Nathaniel era muito próximo dos Fittipaldi, daí para umas especulações é um pulo...

    Abração,

    ResponderExcluir
  7. Caro Jovino,
    Me parece que o Toninho da Matta participou de uma competição (e venceu?)aqui em Brasília com esse mesmo Opala azul c/ o Nº 21 em um percurso que passava pelo Hotel Nacional e buraco da rodoviária em 1969 ou 1970.
    Na foto de 18/11/1969 vemos ao fundo o Fusca/13 da Auto Modelo que fez história nas pistas de Bsb, Fortaleza e Salvador, nas Mãos de Waldir Lomazzi e Karl Raymond Von Negri.
    Na foto de 31/08/1969 dá pra ver o Patinho Feio de Alex Dias Ribeiro bem ao fundo.
    Quanto ao Marcelo Campos, que esteja em paz, era um grande piloto e dizia-se à época que apresentava deficiência visual em um olho e falou-se também que havia saido de uma boate por volta de 4:00 hs da manhã e resolveu fazer a pista, batendo de frente com uma C-10 e fazendo também uma vítima fatal que viajava no outro veículo.
    É isso aí....
    Abs,
    Hamilton.

    ResponderExcluir
  8. Hamilton foi as 200 milhas de 1969 e eu estava presente. O circuito era este mesmo que passava pelo hotel nacional. Toninho da Matta venceu com Opala 3900 da Motorauto e ganhou com muita facilidade. Nesta prova, os destaques foram os estreantes Luis Estêvão com o protótipo OK-VW e o Puma-VW de Angi Munhoz.
    Jovino

    ResponderExcluir
  9. O que mais me impressiona, nas fotos e no filme são os pneus.
    Numa das provas de bsb de 66 o Janjão apareceu, na hora da largada, com o Fusca com as rodas trazeiras invertidas. Deu umas porradas com a marreta no paralamas para levantá-lo no centro e o carro ficou colado no chão.
    A partir daquela data começaram a aparecer espaçadores e alargadores, até o surgimento das talas, assim que os Cinturatos permitiram seu uso.
    Isto só veio em 67, já com o 1300!
    Abraços,
    Clecio Parreiras

    ResponderExcluir