quarta-feira, 4 de abril de 2012

TÚNEL DO TEMPO - TURISMO 5000 - DODGES, MAVERICKS E GALAXIES

A Turismo 5000 foi uma categoria que reniam os Mavericks, Dodges e Galaxies e corriam no anel externo do autódromo de Interlagos, isto, lá pelo início da década de 80, época que também tínhamos aqui em Brasília a Hot Dodge brasiliense, mas só reunião Dodges e foi disputada de 1980 até 1985. 
Mas havia um carro especial (veja um raríssimo video da T 5000 mais abaixo) e que venceu algumas corridas na Turismo 5.000, um Maverick de quatro portas adaptado, a mais veloz de todo o calendário nacional daquela época. Tão veloz que suas provas eram disputadas apenas pelo anel externo do autódromo de Interlagos: as médias superam os 200 km/h.
Este Maverick era preparado pela oficina Agromotor, cujo dono, desde 1981, queria competir com um carro diferente. Tentou, primeiro, um Galaxie, mas o peso eliminou qualquer possibilidade de vitória; sua escolha seguinte foi o Maverick de quatro portas porque, embora mais pesado que o de duas, tem distância entre eixos maior, o que lhe assegura melhor estabilidade em curvas muito velozes. 
O motor era o original do Maverick V8 de 302 polegadas cúbicas (4.950 cc) e tinha como limitação o carburador bijet original (duplo).
O regulamento da categoria não autorizava a montagem do carburador Quadrijet (quádruplo). Mas esta é a única limitação: no mais, tudo podia ser alterado: taxa de compressão, cabeçotes, coletores de admissão e escape, pistões, válvulas, distribuidor, escapamento, comando de válvulas, tudo. Assim, a potência ficava próxima dos 280 cavalos, o que era uma boa cavalaria para a época.

A transmissão alterada (terceira marcha mais longa) e os pneus slick (Pirelli P-7) completavam as características do carro, que usava freios a disco nas 4 rodas.
Os Mavericks pesam cerca de 1.300 quilos, os Dodges pesam mais de 1.400 e os Galaxies mais de 1.700; e isso faz uma enorme diferença, pois cada cavalo de Maverick puxa menos quilos do que os seus concorrentes dos Dodge e Galaxie e assim o handicap era sempre favorável aos Mavericks, apesar que, na época, a tendência era a de que fizessem classificações em separado, caso o nº de carros aumentassem: uma para os Maverick e outra para os Dodge e Galaxie.
Quanto aos Dodges, além do problema do peso, havia ainda a dificuldade da suspensão traseira, que utiliza eixo rígido, pesadão. Isto provocava uma relação peso suspenso/peso não suspenso pouco favorável e o "Dojão" tem mais dificuldades para fazer as curvas.

Dodge, Maverick e Gálaxie


Os mavecos levavam uma ligeira vantagem por causa do menor peso.
Até Galaxies um carro muito pesado, participavam da Turismo 5000, pois o circuito externo não era tão exigente para carros deste tamanho como o seriam no anel interno.
Veja algumas fotos da Hot Dodge Brasiliense abaixo.
Mário de assunção terminando a bruxa e começando a contornar a curva do Placar
Grid cheio e arquibancadas também
O Charger RT de Pepe, um dos destaques da Hot Dodge Brasiliense naquela época

Abaixo, uma raridade de vídeo da Turismo 5000, dos já famovos Ärquivos do "Seu" Guima".
Sinta o trovoar dos Dodges, Mavericks e Galaxies acelerando no anel externo de Interlagos.

Uma ótima páscoa para todos.



(Video You Tube, Aruivos do seu Guima, fonte, pesquisa Internet)

14 comentários:

  1. É isso aí Jovino, aqui em Sta Catarina e no Paraná, no final da década de 70 e início da de 80 a turismo 5000 tbém era sucesso nas pistas de terra, com os Dojões,Mavericks e os opalas, mas com o tempo ficaram mesmo somente os opalas e andam até hoje, no Paraná ainda resistem alguns "bravos" Dojões que de vez em quando fazem uma prova por lá qdo eu era criança eu me apaixonei pelos dojões nas pistas de terra e cheguei a ter um chrager de rua, este vídeo é muito legal e parabéns pela lembrança dos V8 nas pistas e seus roncos inconfundíveis!!! Feliz pácoa. Obs: o Francis publicou à poucos dias atrás uma foto de um Maverick lá do Paraná no POEIRA NA VEIA.

    ResponderExcluir
  2. Oi Fabiani, acompanho o Poeira na Veia do meu amigo Francis e gosto muito do blog dele. Andei uma vez em Chapecó num opala Stock na terra e gostei muito.
    Concordo, o roncar dos v8 era aluciante.
    Aqui em Brasília largavam mais de 20 Dodges.
    Jovino

    ResponderExcluir
  3. Jovino, obrigado por publicar os arquivos do Seu Guima, que por sinal é meu pai, em um blog voltado ao público de Brasília. É muito legal ver os "arquivos" rompendo fronteiras e saindo de São Paulo para todo o Brasil, Todos os links estão no blog do Tito, pode publicar à vontade. Em breve, novos arquivos serão disponibilizados, temos um total de 10 VHS e só diigtalizamos 3 até o momento.
    Parabéns pelo blog.
    Abraços e ótima Páscoa,

    Fabiano Guimarães.

    ResponderExcluir
  4. Oi Fabiano. Obrigado e muito legal que os vídeos super ráros são do seu pai. Vou aproveitar mesmo e divulgar aqui no meu blog. Se tiver alguma coisa da Hot Dodge brasiliense, da qual, participei por 3 anos, agradeceria. Feliz páscoa para você também, seu pai e toda a sua familia.
    Jovino

    ResponderExcluir
  5. Da Hot Dodge não tenho, pois como somos de São Paulo, as filmagens são todas de Interlagos. Tenho gravações de outras provas que eram transmitidas na TV, inclusive uma etapa da Stock em que o Raad Massouh larga na pole, acho que em 85 ou 86, não sei se vc se lembra. Quando digitalizar te envio.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Fabiano, lembro sim e eu estava lá no autódromo. Começou a chover o suficiente para molhar a pista e logo em seguida parou. O Raad arriscou uma volta rápida no trilho que começava a se formar e logo em seguida começou a chover novamente. Quando os outros pilotos mais rápidos de fora começaram a entrar na pista a chuva caiu novamente e ele marcou a pole. Conheço Raad e hoje ele é Deputado Distrital aqui em Brasília. Quando tiver o filme pronto me passe o link que falarei com ele para ver. Mais uma vez muito obrigado a você e seu pai pelo resgate histórico que estão fazendo da memória do automobilismo brasileiro.
    Jovino

    ResponderExcluir
  7. ola jovino, gostei muito do seu blog, fui piloto de fusca 1600, apssat, e turismo 5000, nos dois primeiros anos so pelo oval de interlagos, começamos junto com o marazzi pois estava com ele na r. aurelia um abraço, j.c.homem de mello

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pela iniciativa! Meu pai preparou alguns Mavericks em 1980, 1981 e 1986....Em 1986 tb comecei a freqüentar Interlagos, mas também foi o Ultimo ano dessa categoria fantástica. O ronco dos motores permanece ate hoje em minha mente.....muitas saudades!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Emersom, por acaso seu pai era o Paulinho japones, ???

      Excluir
  9. li uma reportagem do piloto LINO, e pergunto a ele, por um acaso seu DOJÃO era o numero 99, cor branca e vermelha????

    ResponderExcluir
  10. Lino , o meu maverick era o 34, adquirido do Sr.Batista //e garage Web do sr Walter Abramides,tenho muitas fotos da epoca,inclusive de seu DOJÃO.

    ResponderExcluir
  11. li uma reportagem do piloto LINO, e pergunto a ele, por um acaso seu DOJÃO era o numero 99, cor branca e vermelha????

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. grande epoca do saudoso Expedito MARAZZI, foi lá que fiz meu curso de pilotagem e participei de algumas brincadeiras..apesar de grande prejuizo..foram embora tres mavericks V-8, mas valeu e vale a pena a emoção e as amizades.

      Excluir
    2. grande epoca do saudoso Expedito MARAZZI, foi lá que fiz meu curso de pilotagem e participei de algumas brincadeiras..apesar de grande prejuizo..foram embora tres mavericks V-8, mas valeu e vale a pena a emoção e as amizades.

      Excluir