quarta-feira, 21 de julho de 2010

REMINISCÊNCIAS BRASILIENSES - NOITE DE SENSAÇÃO

Quem que já passou dos 50 anos e se lembra de Alcides Caminha?
Ele ficou quase quarenta anos no mais absoluto anonimato, escondido atrás do pseudônimo de Carlos Zéfiro. Um nome que podia ser traduzido tranquilamente por sacanagem. Ele é o criador das cobiçadas histórias em quadrinhos de cunho erótico que ficaram conhecidas por "revistinhas" ou "catecismos", que tanto fizeram a cabeça e as fantasias sexuais dos adolescentes dos anos 50, 60 e 70.
Em 1970, durante a ditadura militar, foi realizada em Brasília uma investigação para descobrir o autor daquelas obras pornográficas que chegou a prender por três dias o editor Hélio Brandão, amigo do artista, mas que terminou inconclusa.
Ele foi o mestre dos quadrinhos pornôs brasileiros.
Carlos Zéfiro, soube como ninguém, retratar o sexo como ele o é na vida real, sem falsos pudores, sem hipocrisia, com tesão, com poesia, não respeitando nenhum tabu e desvendando-nos todas as fantasias.
Em 1992 recebeu o prêmio HQMix, pela importância de sua obra. Após sua morte teve um trabalho publicado como homenagem póstuma em 1997 na capa e no encarte do CD "Barulhinho Bom" da cantora Marisa Monte.



Abaixo, minha pequena história quando eu e um amigo tentamos produzir tais revistinhas lá pelos idos da década de 70.
Na minha adolescência, o que rolava em termos de revistas de sexo para inspiração dos moleques daquela época era a revista do Carlos Zéfiro, pois quando pintava uma era cobiçada por muitos e valia uma grana.

Até que um dia, eu e meu inseparável amigo Barbosinha tivemos a brilhante ideia de produzirmos as nossas revistinhas e faturarmos um troco.
Unimos a criatividade do Barbosinha, um carioca cheio de gírias e conversas e o meu talento em desenhar e montamos o nosso estúdio improvisado lá em casa e começamos a desenvolver as histórias e os desenhos. Passávamos longas noites criando as histórias e eu colocando todo o meu precoce talento par funcionar.

Depois de alguns meses, a revistinha ficou pronta, mas teríamos que produzi-la em grandes números para podermos botar a nossa editora de fundo de quintal para faturar.
Um amigo, que também fazia parte do nosso grupo, o famoso Braz, que pegava a chave escondida do fusquinha 72 mil e trinca verdinho do seu pai a noite para a gente dar os primeiros peguinhas na asa norte, eu, como piloto, nos propôs adentrar a sala do colégio da quadra onde ficavam os mimeógrafos e fazermos as cópias para o nosso produto poder ser colocado no mercado consumidor dos punheteiros da 312 norte e adjacência .


E a expectativa já era grande, pois o Braz, nosso estrategista mostrou uma prévia da revistinha para algumas pessoas e a receptividade já era muito boa pela quadra e eles já estavam curiosos para adquirirem tal produto e o nosso grande teste seria deixar, sem querer querendo, o único exemplar com o zé broinha, pois o cara dedicava boa parte do seu dia trancado no banheiro de sua casa.
Conversamos com o Braz e ele nos contou que já havia passado a revista para o teste final para o Zé broinha e ele subiu para o seu apartamento e estava demorando muito tempo. Aí, nós resolvemos também subir até o seu AP para falar com ele. Mas quando chegamos, sua mãe disse que ele estava trancado no banheiro e não saía de jeito algum, inclusive, sua irmã, estava precisando usar o banheiro, e nada, o cara continuava lá dentro e só saiu quando seu pai quase arrombou a porta do banheiro.


Descemos todos do apartamento e o Zé Broinha já estava exaurido e meio pendente para o lado direito de tanto usar aquela mão e o nosso teste final havia dado certo.
Algumas formas de se conseguir recursos para grana para as festinhas e outras aprontações, pois não tínhamos pais que dessem mesadas (a não ser as próprias nos lombos da gente) era a de matar aulas ou irmos a pé para o CAN (colégio da asa norte) na L2 norte e guardar o dinheiro da passagem e depois comprar pinga e misturar com coca cola e irmos para as festas das redondezas.
Já estávamos antecipadamente fazendo os cálculos dos rendimentos da nossa empreitada e numa noite depois que o colégio da quadra já havia encerrado as aulas noturnas, o adentramos, e o Braz, que era o mais abusado e o menor da turma foi o escolhido por livre e espontânea pressão para pular a janela. Forçamos a vidraça e ele entrou na sala onde estavam os mimeógrafos e o Braz constatou que o serviço ali seria fácil de ser executado.
Marcamos para a noite seguinte para fazermos as cópias mimeográficas lá dentro da sala do colégio, mas pela manhã, a triste notícia: Dona Etelvina, mãe do Barbosinha (uma religiosa convicta) havia descoberto o único exemplar da nossa revistinha “Noite de sensação” debaixo do colchão do Barbosinha e o transformou em mil pedacinhos, sobrando apenas alguns restícios de papel que o Barbosinha nos levou tristemente para comprovar a tragédia não anunciada e aí o nosso destino de futuros empresários do setor literário masturbatício, havia se encerrado prematuramente e o Carlos Zéfiro pode reinar absoluto.


(Fotos dos desenhos, reprodução)

10 comentários:

  1. Olá Jovino,

    Quer dizer que você também tinha esse dom de colecionador??? Ficavam escondidas debaixo do tampo da mesa da sala???rsrsrs
    Eta juventude transviada!!!!!
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. ANônimo, saia do anonimato.
    Isto era uma febre que se alastrava em todas as quadras de brasilia naquela época. Muitos, estudantes, bem lembrado por você, escondia a tal revistinha debaixo da mesa ou dentro dos cadernos e ficavam totalmente fora do ar. Aí o professor dava aquela bronca e o cara voltava a realidade.
    Momentos bons.
    Jovino

    ResponderExcluir
  3. Estas revistinhas de sacanagem na epoca eram o maior sucesso, e não eram só os adolecentes que gostavam não a rapaziada mais velha tambem via direto, eram muuito boas mesmo e as istoria nem se fala.....

    ResponderExcluir
  4. Luby,grande pumeiro.
    No ano passado, descobri um site que você baixava algumas destas revistinhas. Copiei e fiz uma e dei de presente para um amigo que fazia aniversário.
    Fiz um belo presente e o cara foi abrindo e criando-se uma expectativa, pois ninguém imaginava que o presente seria este. Quando abriu finalmente, a bela surpresa e risos de todos e não é que ele disse que foi o melhor presente da festa. É só usar a criatividade, conhecer um pouco do agraciado, que era um tremendo de um aprontador na época, que a gente agrada.
    Jovino

    ResponderExcluir
  5. Gostava muito de ve-las principalmente no banheiro rsrsrsr
    grande abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá explicado...Por isso que não cresceu!!!!

      Excluir
  6. Qualquer um que passou dos 50 sabe bem como era dificil convencer o jornaleiro a vender uma dessas. Cobravam caro e a molecada se ralava pra juntar a grana.
    Quer dizer então que vc também tentou produzir material "educativo " é?
    Só não fiz por absoluta falta de talento pro desenho.
    hahahahahahah.
    putz! que época!

    ResponderExcluir
  7. Regi, mas esta época é muito bacana. Semana passada, este meu amigo que mora hoje no Paraná veio a Brasilia e imagina as recordações das aprontações da gente naquela época. muitos risos.
    Jovino

    ResponderExcluir
  8. Caraca arranjar um desses catecismos era a coisa mais negociada/misteriosa da época ... velhos e bons tempos ... engraçado que os enredos fazem efeitos até os dias de hoje .. não abro mão !! hehehhe

    ResponderExcluir
  9. Uma vez um ex-chefe me deu um livrinho encadernado, com a coleção do Carlos Zéfiro!!!!

    ResponderExcluir