terça-feira, 1 de novembro de 2011

DO BAÚ DO PILOTO RENATO MALCOTTI


Mais um piloto que disponibilizou o seu acervo de fotos para o Mocambo Blog.

Trata-se do amigo Renato Malcotti, um dos maiores colecionadores de carros antigos de Brasília e grande bota pilotando DKWs em campeonatos cariocas e brasileiros no final da década de 60 e início de 70.

Começou sua participação em provas no início de 1966 e já no Primeiro Festival de Marcas da Guanabara, quando foi inaugurado o autódromo Internacional do Rio de Janeiro em 10 de julho de 1966, venceu a prova destinada aos DKWs, percorrendo 10 voltas no anel externo, prova esta que foi patrocinada pela Associação dos Reporteres e Fotógrafos  do Rio de Janeiro.

                               
Além desta prova foram realizadas também mais duas provas, uma para Volkswagens e a outra prova destinada somente para Gordinis.

Em 1º de outubro de 1966 já participava de provas profissionais quando pilotando o DKW nº 19  ficou em quarto lugar na geral e segundo na categoria.

                    

O DKW 19, ao fundo o famoso boneco da Esso, um dos patrocinadores das provas

                    

Mais uma corrida com disputa emocionante entre ele e o piloto Mauro Sá Mota aconteceu em 15 de outubro do mesmo ano, quando ele chegou na sexta posição na geral, segundo os jornais da época, com  atuações em destaque e se tornando a sensação das provas com uma tocada firme e elegante, sacrando-se campeão antecipado em dezembro de 1966 na categoria até 1300cc.

                    

O DKW nº 19 do Malcotti, seguido pelo KG-Porsche do Jiquica Varanda e mais atrás o Espingarda, mas pelo numeral acho que pilotado ou pelo Carlos Bravo ou o Abelardo Aguiar.

Campeonato Brasileiro de Subida de Montanha em 1967 realizado entre Teresópolis e Petrópolis, chegando em 2º na geral e em 1º na categoria de 850cc a 1300cc. Aliás, belíssima foto, o Belcar é uma de minhas paixões e ele rebaixado assim, é tudo de bom. Imagina o sucesso que não fazia naquela época.

30 nov 66 . O DKW não pegou e ele teve que empurrar o seu carro para largar, mas durante a prova teve problemas no câmbio e um pistão furado. Na última volta parou na curva da chegada por falta de combustível, mas acabou empurrando o seu DKW até a bandeirada,  sendo ovacinado e chegando na terceira colocação na categoria e mantendo a liderança do campeonato.


Aqui sendo perseguido por uma Alfa.

Prova com grandes feras e as melhores máquinas da época, Malzoni, Berlinetas Interlagos, Karman Guia, Alfas... Segundo o Sidney Cardoso, "a da largada desta prova foi em 10-12-1967. Lembro-me bem e também tenho umas fotos dela. Meu irmão estava liderando com o Karman-Ghia do Aylton Varanda. O mecânico do Aylton, o “Passarinho”, de Petrópolis, após trabalhar a noite toda, já estafado, deu uma bobeada e não prendeu bem o motor, de modo que lá pro meio da corrida, na curva da Ferradura, numa das boas aceleradas do Sérgio, o motor soltou-se, andou pra trás esticando o cabo do acelerador e ele saiu da pista naquela curva caindo o barranco e com isso não terminou a corrida".

Comprovante de inscrição de uma prova de estreantes em abril de 66


Abaixo, vejam o resultado final do campeonato de 1966. Vencedor do grupo V

(Clique da foto para ampliá-la)


O Renato Malcotti foi campeão carioca de 1966 e 1967 e também escolhido pela imprensa especializada como o melhor piloto do grupo V.


O amigo e adversário Norman Casari que foi campeão carioca do grupo VI e trofeu Volante de Prata. Segundo o meu amigo Sidney Cardoso, "nesta foto, quem aparece ao lado do Norman Casari é o Albino Brentar que era sócio do Aloísio Lemos na "Lemos & Brentar", revendedora de Pumas e depois também representante da DACON que ficava no Jardim Botânico, quase em frente a ABBR".

Um bom final de semana para todos.

7 comentários:

  1. Olá Jovino, olhando estas fotos tive que aumentar a dosagem de Captopril...Rodolfo.

    ResponderExcluir
  2. Já miniaturalizei o 19 azul marinho e o bege com teto branco...foi uma honra para mim ele ter-me dado esta tarefa.Rodolfo.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Jovino
    Excelente acervo de nosso amigo Renato Malcotti. Vendo as fotos lembrei-me de muitos fatos e senti uma saudade enorme do Autódromo antigo do Rio.

    Olha que coisa coincidência desagradável: o Mauro Sá Motta que aparece aí nos resultados e que também corria de DKW, anos mais tarde casou-se com a ex-noiva de meu irmão Sérgio Cardoso e teve um acidente de madrugada batendo com seu carro num ônibus no Bairro Jardim Botânico, vindo a falecer.

    A Laís ficou tão traumatizada com esses dois acidentes o do Sérgio e o do Mauro que achou que era karma e decidiu nunca mais casar.

    A oitava foto de cima para baixo, a da largada, foi em 10-12-1967. Lembro-me bem e também tenho umas fotos dela. Meu irmão estava liderando com o Karman-Ghia do Aylton Varanda. O mecânico do Aylton, o “Passarinho”, de Petrópolis, após trabalhar a noite toda, já estafado, deu uma bobeada e não prendeu bem o motor, de modo que lá pro meio da corrida, na curva da Ferradura, numa das boas aceleradas do Sérgio, o motor soltou-se, andou pra trás esticando o cabo do acelerador e ele saiu da pista naquela curva caindo o barranco e com isso não terminou a corrida.

    Nesse ano 1966 meu irmão está em 15lugar no campeonato porque só fez uma corrida de pilotos: a Quinta Etapa realizada em 11-12-1966. Ele acabara de se sagrar Campeão de Estreantes e aí trocou os pneus da Alfa, pôs gasolina e participou pela primeira vez da corrida de pilotos, pois como acabara naquela hora o campeonato de estreantes ele já podia correr como piloto.

    Nessa corrida ele vinha com a Alfa em segundo lugar e aí dechapou um pneu e foi tomar um banho no lago na curva do S.

    Na última foto quem aparece ao lado do Norman Casari é o Albino Brentar que era sócio do Aloísio Lemos na "Lemos & Brentar", revendedora de Pumas e depois também representante da DACON que ficava no Jardim Botânico, quase em frente a ABBR.

    Pronto, estão aí minhas pequenas contribuições.
    Transmita, por favor, meu abraço ao Renato.

    ResponderExcluir
  5. Sidney, obrigado mais uma vez pela colaboração. Inseri as suas informações lá no post. Sempre digo que blog é um somatório de informações, cada um puxando pela memória e fazendo a sua contribuição e assim, a história do automobilismo brasileiro vai sendo contada.
    Jovino

    ResponderExcluir
  6. Jovino
    Concordo contigo, pois também acho que blog é como você falou: "um somatório de informações, cada um puxando pela memória e fazendo sua contribuição"...

    Sempre que posso contribuo. Quando não sei fico esperando a opinião de quem sabe.
    Abração.

    ResponderExcluir
  7. Grande olho do Sidney , reconhecendo o Albino (sem barba!!!) .

    So uma correção , A Lemos & Brentar não era o revendedor da Puma , sim o representante da marca no Rio de Janeiro. Isto devido a grande amizade do Albino com seu tutor o Jorge Lettri que o chamava carinhosamente de "Pinga Oleo" . E também representante da Fitti V (os Formulas W) fabricados pelos irmaos Fittipaldi , sendo assim o ponto de apoio para muitos pilotos (equipes) paulista no Rio e também ponto de encontro da turma do Rio e onde sempre havia cafe durante o dia e whisky quando as portas fechavao.

    Grandes lembranças destes tempos , com o patio interno da Lemos & Brentar lotado de carros de corrida , e quando se preparava motores com os kit´s da Dacon e também da Puma ..

    O Albino faleceu em 2001 e eu perdi rastro do Norman a alguns anos. O Albino considerava o Normam como um dos melhores pilotos desta geração.

    Leonardo


    ResponderExcluir